MAIS SOBRE O BLOG ...

O Cordada Infinita é um blog com artigos sobre Escalada, Equipamentos e Notícias relacionadas ao Montanhismo. Nasceu de uma idéia simples: Escrever, Comunicar e Divulgar fatos e opiniões sobre o mundo da montanha. É mantido por Levi Rodrigues desde maio de 2007. Se você tem alguma sugestão sobre um artigo, participe enviando sua pergunta ou opinião sobre os assuntos postados.

Alerta!...

O montanhismo é uma atividade de risco moderado quando praticada de acordo com as normas de segurança. Ao utilizar as informações contidas nesse blog, é necessário experiência e cautela na utilização de equipamentos, técnicas, conceitos e informações sobre as atividades. Lembre se: Acidentes não acontecem. São causados aos poucos

Temos o que comemorar no Dia Mundial do Meio Ambiente?

Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente, um daqueles dias que ficamos à pensar se realmente temos o que comemorar.

Penso que nossos parques, reservas, rios e montanhas, poderiam ser muito piores do que são, mas justificar através de desculpas a situação em que deixamos nosso Meio Ambiente, não nos eximiria de nossa culpa.

Vou dar apenas alguns exemplos do que vejo nas montanhas:

- Os parques em geral são criados apenas no papel, muito mais burocrático do real;

- Não há recursos para todos os parques e quando recebem fazem mal uso do dinheiro público;

- Não há educação ambiental para os funcionários, tão pouco para a população local, que por conta disso continua poluindo rios, trilhas, criando gados em campos de altitude e plantando com métodos rústicos e de alto impacto ambiental;

- Os parques não possuem estrutura real para atender turistas e o que dirá montanhistas;

- Não há incentivo ao estudo de mínimo impacto, nem como a produção de material de apoio como: mapas, guias, cursos, etc..

- Os parques não possuem estrutura administrativa para agendar, coordenar e incentivar a visita de maneira consciente;

- Não há preocupação com locais de acampamento, coleta de lixo, sistemas de busca e resgate;

Entretanto, os primeiros passos já foram dados. A criação de convênios entre prefeituras e entidades, uma maior preocupação dos cidadãos em geral (mesmo que ainda seja uma parcela muito pequena da população) e uma maior variedade de revistas e artigos com focos ambientais.

Quem conhece parques fora do Brasil, volta com aquela impressão de que realmente estamos em um país de 3º mundo, mas a realidade não é bem assim.

Sabemos que parques como o da Patagônia, possui uma estrutura enorme em funcionamento, os guardas-parques são formados com nível superior, há todo material (guias, mapas, etc..) necessário para as caminhadas, há refúgio, áreas de acampamento, mas núcleo ambiental em um país pequeno é uma coisa, num país continental como o Brasil é bem diferente, dados aos interesses de cada um.



Isso mostra que além da educação, temos que analisar como enxergamos nosso meio ambiente, nossas montanhas, Leonardo Boff diz que:

"Ler significa reler e compreender, interpretar. Cada um lê com os olhos que tem. E interpreta a partir de onde os pés pisam.

Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Para entender como alguém lê, é necessário saber como são seus olhos e qual é a sua visão de mundo. Isso faz da leitura sempre uma releitura.

A cabeça pensa a partir de onde os pés pisam. Para compreender, é essencial conhecer o lugar social de quem olha. Vale dizer: como alguém vive, com quem convive, que experiências tem, em que trabalha, que desejos alimenta, como assume os dramas da vida e da morte e que esperanças o animam. Isso faz da compreensão sempre uma interpretação.

Sendo assim, fica evidente que cada leitor é co-autor. Porque cada um lê e relê com o olhos que tem. Porque compreende e interpreta a partir do mundo que habita."

Então na verdade o que estamos dizendo, é que não basta lutar por um "mundo melhor", se esse mundo melhor é diferente para cada um. O que é necessário é uma consciência ambiental mais sólida em nosso país, uma consciência que atinja todas as classes sociais, para que essas mudanças reflitam em nosso meio ambiente.

Mas o que fazer agora? Temos que continuar lutando. Lutando por uma base mais sólida na educação civil , porque essa base é que será necessária para manter o pouco que vai sobrar daqui para frente.

2 Comentários:

  1. Vinicius Ribeiro disse...
     

    Belíssimo texto, Levi! E respondendo à sua pergunta do título: infelizmente, nós ainda não temos o que comemorar. E aqui, eu gostaria de frisar o “ainda”... ainda não temos.... a esperança é que tenhamos, um dia, talvez. Gostei. Abração!!

    Ah, e eu curti a citação do Boff. Irei usar como comentário lá nA Montanha, linkando esse artigo bacana aqui.

    Té!!

  2. Levi Rodrigues disse...
     

    Valeu Vinicius,

    Parece que não tem mais solução, mas no fundo sabemos que de uma forma ou outra, isso terá um jeito de se resolver..

    Abs

    Levi

Postar um comentário